O mercado de trabalho para Gerente de Projetos em tempos de crise

Iniciada em setembro de 2008, a crise financeira internacional desencadeou uma série de aspectos negativos em diversos setores da economia mundial. Indo na contramão dos fatos, o segmento de gestão de projetos reagiu de forma positiva a esse acontecimento. Alguns fatores ligados às características do profissional dessa área podem explicar essa situação contraditória: capacidade de gerenciar riscos, otimizar o uso de recursos humanos e financeiros, bem como gerenciar as expectativas das partes interessadas traduzem a confiança do mercado nesse tipo de profissional, mesmo em épocas de crise econômica global.

Outro ponto importante que pesa em favor desse profissional é por ele conseguir aplicar seus conhecimentos nos mais diversos nichos de mercado, como: indústria, aviação, engenharia, meio ambiente, educação, etc. Isso justifica o aumento pela demanda e consequente valorização da carreira. Márcio Tibo, presidente do PMI-MG, destaca: “Os indicadores do PMI mostram que a aceitação das melhores práticas de GP ganha mais espaço nas agendas das empresas. Esse fato decorre do reconhecimento da importância do gerenciamento de projetos para a transformação das estratégias empresariais em resultados”.

Aliado a este fato, temos a implantação do Escritório de Gerenciamento de Projetos (PMO) como uma constante em expansão. Este, por sua vez, possui relevante importância na disseminação das melhores práticas em gerenciamento de projetos dentro da organização, fortalecendo assim, a profissão do gerente de projeto frente a crise globalizada.

E para você que deseja se capacitar em gerenciamento de projetos e obter uma certificação internacional que amplie sua visibilidade no mercado de trabalho, recomendo o Combo PMP 64h com Garantia Estendida da Projectlab, o qual possui garantias que irão lhe proporcionar maior tranquilidade e chances de sucesso na prova de certificação PMP. Para maiores informações clique aqui.

garantia extendida plab

Este post trata-se de um artigo patrocinado (publieditorial).

[MS Project 2013] Linhas de Base do Projeto

Gestão de Projetos Ágeis – Os números de 2014

Aqui está um resumo:

A sala de concertos em Sydney, Opera House tem lugar para 2.700 pessoas. Este blog foi visto por cerca de 44.000 vezes em Se fosse um show na Opera House, levaria cerca de 16 shows lotados para que muitas pessoas pudessem vê-lo.

Clique aqui para ver o relatório completo

2º Congresso Nacional de Gerenciamento de Projetos do PMI-SE

Ocorreu entre os dias 18 e 20 de Setembro de 2014 o 2º Congresso Nacional de Gerenciamento de Projetos do PMI-SE. O evento foi realizado no Hotel Mercure em Aracaju e teve como tema central “Gestão de Stakeholders”. O objetivo foi proporcionar uma troca de experiências e a disseminação do conhecimento em Gerenciamento de Projetos através de palestras, minicursos e apresentação de casos reais em diversas áreas.

10616312_853146028037746_9122316906689337362_n

Presidente do PMI-SE na entrega do certificado do curso que ministrei.

Fui convidado para ser palestrante de um minicurso com o seguinte tema: “Gerenciamento do Tempo com o Microsoft Project 2013”. Nele, foi possível apresentar aos participantes os conceitos definidos no PMBOK que norteiam a disciplina de Gerenciamento do Tempo em Projetos, bem como a aplicação prática dos mesmos através da ferramenta Microsoft Project 2013. Ao final do curso os alunos puderam aplicar, em um estudo de caso, todo o conhecimento adquirido.

Houve ainda outro minicurso sobre o método PM4Plane, abordando a aplicação combinada de Scrum + PMBOK. As palestras foram separadas de acordo com sua abordagem ágil ou tradicional. Diversos nomes de destaque nacional apresentaram seus trabalhos, bem como uma integrante do board do PMI Internacional, Maria Castelanni, que trabalhou o tema “CONFIANÇA, principal aliado para o sucesso das relações interpessoais”.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Stakeholders e sua influência nos projetos e negócios

projectlab_stakeholder_management_pactio_prendo_ettingerOrganizações são geridas por meio de processos de negócios, os quais podem ser alavancados pela construção de um bom planejamento estratégico que direcione as ações a serem tomadas em busca de objetivos que agreguem valor à organização. Projetos nada mais são do que a materialização desse planejamento estratégico através de atividades planejadas e relacionadas logicamente para construir um produto, disponibilizar um serviço ou resultado desejável.

Segundo o Project Management Institute, stakeholders são “pessoas e empresas, como clientes, patrocinadores, organizações executoras e o público, que estejam ativamente envolvidas no projeto ou cujos interesses possam ser afetados de forma positiva ou negativa pela execução ou término do projeto”. Eles podem exercer influência sobre os objetivos e resultados do projeto, pois sua influência é vital para o sucesso ou fracasso do mesmo. Sendo assim, é preciso mapear os perfis, determinar suas necessidades e expectativas, bem como, gerenciar sua influência dando um maior enfoque aos stakeholders que possuem maior interesse e poder decisório.

Todavia é fundamental não ignorar a importância de nenhuma parte interessada, mesmo que ela possua baixo nível de poder e interesse. Sabemos que a união faz a força e muitos stakeholders “fracos”, quando unidos e coesos, constroem uma aliança com forte influência sobre o resultado do projeto.

A dúvida que surge é como buscar a satisfação balanceada das partes interessadas? Um caminho viável é capacitar a equipe de projeto. Assim, recomendo o curso de Gerenciamento de Stakeholders da Projectlab, o qual apresenta um método avançado que visa desenvolver as habilidades do profissional, através de uma aprendizagem acelerada baseada na experiência. O Simulador “PACTIO” utilizado é baseado em um sofisticado modelo de comportamento humano, validado por acadêmicos, especialistas das indústrias e centenas de gerentes de projetos. Você pode encontrar maiores informações nesse link.

banner-case-2

Este post trata-se de um artigo patrocinado (publieditorial).

Pesquisa

Pesquisa Internacional sobre Gestão de Projetos

Somos do grupo Project Management Development (PMD) da Universidade Federal de Pernambuco e estamos realizando um plano de pesquisa internacional relacionado à Gestão de Projetos.

O propósito da pesquisa é explorar a visão de sucesso por diferentes stakeholders (partes interessadas), utilizando determinados critérios de avaliação no processo de gerenciamento de um dado projeto. Através da compreensão e da interpretação de divergentes concepções sobre tais critérios, acredita-se, em última análise, que essa pesquisa contribuirá com novas perspectivas sobre como administrar as expectativas das partes interessadas de um projeto em variados contextos.

Estamos principalmente interessados em aprender sobre suas percepções de projetos, e como certas práticas organizacionais são percebidas por você e por outros participantes da pesquisa. Portanto, para um bom desempenho e qualidade adequada, convidamos todas as instituições e profissionais da área que tenham interesse em contribuir com o desenvolvimento da pesquisa a responder o questionário que está disponível no link abaixo:

Link do questionário – Instituições privadas:  https://pt.surveymonkey.com/s/MTYK59V

Link do questionário – Instituições públicas: https://pt.surveymonkey.com/s/NLWCBGM

Link do questionário – Projetos Sociais: https://pt.surveymonkey.com/s/26BQF2Y

A pesquisa é aberta para empresas de qualquer segmento de mercado. O perfil dos respondentes engloba qualquer parte envolvida em um determinado projeto (gerente, diretor, membro de uma equipe de projetos, patrocinador, usuário final, dentre outros).

Vale lembrar que a pesquisa é exclusivamente para fins acadêmicos. Uma cópia dos resultados estará disponível a pedido dos respondentes, que não são identificados. Os registros serão mantidos privados e são totalmente confidenciais.

Agradecemos a colaboração de todos desde já.

Se houver qualquer dúvida ou comentário, favor contatar qualquer membro da equipe:

Maria Creuza e Maria Carolina: Universidade Federal de Pernambuco, Brasil (pesquisa3.pmd.ufpe@gmail.com)

Dr. Caroline Mota, Universidade Federal de Pernambuco, Brasil (carol3m@gmail.com).
Dr. Udi Ojiako, University of Southampton, UK (udechukwu.ojiako@soton.ac.uk )
Dr. Maxwell Chipulu, University of Southampton, UK (m.chipulu@soton.ac.uk )

[MS Project 2013] Copiando configurações entre arquivos

Breve panorama sobre os Métodos Ágeis – XP, Scrum e o Manifesto

O conceito de agilidade está intimamente ligado à pratica de entrega rápida de valor ao cliente. Dessa forma, as metodologias ágeis possuem um enfoque voltado à colaboração com o cliente do que propriamente com a negociação rígida de contratos. Para tornar isso possível, a visão passa a ser a de priorização de ter software executável (produto construído) em detrimento à uma documentação abrangente. Ainda nesse cenário, os agilistas afirmam que devemos dar mais atenção aos indivíduos e suas interações do que aos processos e ferramentas que envolvem a construção do produto. Afirmam ainda que devemos reagir rapidamente às mudanças que se fizerem necessárias do que seguir um plano do início ao fim. Esses são os princípios do Manifesto Ágil, lançado em 2004 pela Aliança Ágil.

Aliados a esses princípios, existem algumas técnicas que são frequentemente utilizadas buscando favorecer a rápida entrega de valor ao cliente, a saber: programação em pares, refatoração, metáforas e integração contínua, no caso da Extreme Programming. Já o Scrum promove eventos, como as reuniões diárias e a reunião de retrospectiva, que aumentam significativamente a interação e comunicação entre os stakeholders do projeto. Existem ainda outros benefícios: pequenas iterações, equipes auto gerenciáveis e disseminação de princípios como compromisso, responsabilidade e respeito.

Contudo, como diria o dito popular, “nem tudo são flores”. Alguns pontos fracos necessitam ser pensados e trabalhados de maneira a maximizar os ganhos com o uso dessas metodologias. Elas carecem de uma análise de riscos, sem torná-las pesadas. Outro desafio é aprender a utilizar essas metodologias ágeis em grandes empresas e equipes, visto que usualmente são baseadas em equipes pequenas.

Caso deseje aprender mais sobre Métodos Ágeis, recomendo o novo curso recentemente lançado pela Projectlab. Você irá aprender novas técnicas e abordagens em um ambiente lúdico que estimula a absorção do conhecimento. Confira!

 

Este post trata-se de um artigo patrocinado (publieditorial).

 

2º Congresso Nacional de Gerenciamento de Projetos do PMI-SE

Face - Palestras full clean

O objetivo deste projeto é realizar o 2º Congresso Nacional de Gerenciamento de Projetos do PMI Sergipe para proporcionar uma troca de experiências e uma disseminação de conhecimento através de palestras, minicursos e apresentação de casos reais em diversas áreas de conhecimento do Gerenciamento de Projetos.

  • Até 16 PDUs

OBS: Os minicursos são vendidos separadamente. A aquisição da cota PALESTRAS dará direito a assistir todas as palestras do evento. A aquisição da cota referente ao minicurso dará direito a assistir SOMENTE o minicurso adquirido. VAGAS LIMITADAS.

Inscreva-se aqui! 

Investimento:
Minicursos
 Minicurso – PM4Plane – Scrum + PMBOK no Gerenciamento de Projetos – Fábio Cruz:

Será apresentada uma proposta inédita de união entre o ágil e o Guia PMBOK 5a edição, visando demonstrar como ter times altamente ágeis sem abandonar o PMBOK e ao mesmo tempo como manter o controle eficiente sem perder a agilidade. Esta abordagem é apoiada em um caso real de aplicação em um grande projeto global.

Minicurso – Gerenciamento de Tempo em Projetos com MS Project 2013 (PMBOK 5ªed.) – Daniel Ettinger:

Conteúdo Programático:

- Gerenciamento do Tempo em Projetos com o PMBOK (5ª Ed.)
– Dicas para um bom Cronograma

PLANEJAMENTO
– Calendários
– Atividades
– Determinando o Caminho Crítico

CONTROLE
– Linhas de Base
– Acompanhando o progresso das tarefas
– Linhas de Andamento
– Movendo o Projeto para uma nova data.

AGENDA DO EVENTO:

O Planejamento e sua Importância nas Organizações

Trabalhando em projetos, provavelmente já deve ter ouvido a seguinte frase: “Planejar para quê? É perda de tempo e dinheiro!” Essa, infelizmente, ainda é a visão de muitos administradores de empresas. Não sabem eles que o planejamento é essencial para a eficácia de uma boa administração, pautada numa visão progressista. Mas qual é o significado da palavra “planejamento”? Segundo o dicionário Aurélio, “é o trabalho de preparação para a tomada de decisão, segundo roteiros e métodos determinados”. Sendo assim, ele irá auxiliar na escolha de ações a serem tomadas para atingir os objetivos propostos.

O planejamento é como a opinião do ser humano, pode e deve mudar no momento em que percebermos que aquela forma de pensar não está adequada com a realidade que vivemos. Não é preciso seguir um plano do início ao fim de um projeto. Ele provavelmente irá sofrer mutações durante sua execução para se adaptar às incertezas inerentes a qualquer projeto. O importante é fazê-lo caminhar junto com a realidade dos fatos.

Anualmente, milhares de empresas fecham suas portas no Brasil, sendo que um dos principais motivos é a ausência de um bom planejamento que guie suas ações em busca dos objetivos que foram propostos. Só é possível fazer uma empresa progredir traçando um plano que auxilie na tomada de decisões e otimize os recursos.

Este post trata-se de um artigo patrocinado (publieditorial).
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 296 outros seguidores