Publicado em Gerenciamento de Projetos, Recursos Humanos

Ética em Gerenciamento de Projetos

Muita gente acredita que Código de Ética e Conduta Profissional seja uma das disciplinas do PMBOK. Trata-se de uma visão equivocada da realidade. Não que o PMI menospreze sua importância, até porque conduta ética, legal e profissional, bem como as responsabilidades de um gerente de projetos  abrangem 29 das 200 questões do exame de certificação PMP (14,5%).

“Visto não ser fácil relacionar uma questão específica a um domínio específico, as questões de ética e responsabilidade profissional usualmente aparecem associadas a questões comuns a todos os domínios, como sensibilidade cultural, gerenciamento de conflitos de interesse, …, aconselhamento, etc…” Mauro Afonso Sotille, PMP

O fato observado acima serve para comprovar a presença da ética nas nove áreas do conhecimento definidas pelo PMI. Porém, para justificar essa onipresença vejamos alguns exemplos de disciplinas onde a ética se destaca de forma mais intensa. No gerenciamento dos recursos humanos, o GP deve trabalhar sua liderança de forma imparcial, honesta e criteriosa. Para isso, deve apoiar os integrantes no seu desenvolvimento profissional, fornecendo feedbacks constantes, realizando avaliações consistentes, de forma a permitir o crescimento da equipe. Além de incentivar e motivar o GP deve estar atento a duas regras básicas:

1. Elogios e críticas

  • Ao elogiar algum profissional, o faça na frente de outras pessoas, possibilitando ele se sentir valorizado e com sua auto-estima ampliada.

  • Não pratique assédio moral! Ao criticar, o faça de forma discreta, sem expor o profissional.

2. “Pontos Fortes” e “Pontos Fracos”

Nas reuniões de feedback, o termo “pontos fortes” deve ser utilizado, pois permite destacar do profissional aquilo que tem de bom, porém o termo “pontos fracos” não deve fazer parte do vocabulário dos gerentes. Uma alternativa é usar a expressão “pontos a desenvolver”! Quando abordamos os pontos fracos de alguém deixamos claro que se trata de algo deficitário, estabelecido e incorporado a essa pessoa. Entretanto, se dissermos que o ponto a desenvolver é a comunicação escrita (como no exemplo acima), isto transmitirá a ela uma verdade (que não é boa), mas a mensagem trará de forma implícita uma idéia de que é algo a melhorar, possível e provável, pois depende do esforço da própria pessoa. Assim, a mensagem transmitida desta maneira tem uma carga de positividade, de desafio e estímulo [SOUZA, 2010].

O gerenciamento de aquisições é outra disciplina bastante vulnerável aos aspectos da ética. O gerente de projetos por diversas vezes tem a responsabilidade de escolher ou recomendar fornecedores e/ou pessoas que venham a dar suporte para o desenvolvimento do projeto. Nesse momento o GP não deve beneficiar empresas ou pessoas levando em conta interesses pessoais. Ele tem que ser imparcial e decidir quais são as melhores opções baseando-se em uma análise de capacidade e qualidade de serviços prestados.

Analisando o exposto acima fica claro como a ética e produtividade são fatores que caminham lado a lado. Espero que você também tenha notado! Ora, se eu como gerente de projetos assumir minhas responsabilidades com respeito, justiça e honestidade para com meus liderados obtenho em troca respeito e confiança. Por conseguinte, os stakeholders irão se inspirar por meio dos meus bons exemplos e ajudar a disseminar essa cultura organizacional da ética. O que certamente trará bons resultados com ganhos em produtividade e melhoria do ambiente de trabalho! Por isso, tenha sempre em mente que o Código de Ética e Conduta Profissional é requisito para o exercício pleno da profissão de gerente de projetos.

SOUZA, Washington. A ética e o gerenciamento de projetos. Blog CMMI. 2010.
DINSMORE, Paul C.; CAVALIERE, Adriane. Como se tornar um profissional em gerencimento de projetos. Qualitymark, 3ª ed. 2009.

Autor:

Bacharel em Ciência da Computação pela Universidade Federal de Sergipe (UFS) e Pós-Graduado em Gestão de Projetos de Software pela Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe (FANESE) e Gestão e Liderança de Pessoas pela Universidade Tiradentes (UNIT). É certificado PMP pelo PMI, ITIL v3 Foundation pelo EXIN e COBIT 5 Foundation pela APMG. Possui experiência de 5 anos nas áreas de Análise e Desenvolvimento de Sistemas do setor público e privado. Atualmente trabalha no Banco do Estado de Sergipe (BANESE), onde já desenvolveu atividades de análise de processos e gerenciamento de projetos no Escritório de Gerenciamento de Demandas, Projetos, pertencentes à Área de Governança de TI. Dentre elas, destacam-se a gestão do projeto de implantação do PMO de TI e suporte no gerenciamento de outros projetos. Atualmente, exerce a função de gerente de projetos no PMO Corporativo do BANESE planejando e executando projetos estratégicos da organização. Ministrou aulas de Sistema de Gerenciamento de Projetos em cursos de MBA da FANESE. É membro do PMI-SE onde já atuou como voluntário em eventos, ministrando curso de Gestão do Tempo em Projetos. É proprietário e articulista do site "Gestão de Projetos Ágeis" www.danielettinger.com, onde divulga trabalhos pessoais na área de Gerenciamento de Projetos e Metodologias Ágeis como artigos, v

Um comentário em “Ética em Gerenciamento de Projetos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s