Arquivo mensal: agosto 2011

Os tipos de PMO

Como prometido anteriormente, esse post será dedicado a abordar os diferentes tipos existentes de Escritório de Gerenciamento de Projetos, ressaltando suas características principais e finalidades dentro da organização na qual está inserido. Devido à falta de padronização, e até mesmo de consenso, na classificação de tipos de escritórios de projetos, vamos utilizar aqui uma referência bastante respeitada no Brasil e no mundo quando se fala em gerenciamento de projetos, Ricardo Viana Vargas. Segundo ele [1], existem basicamente três níveis de escritórios de projetos de acordo com a finalidade e a característica de atuação desejada pela organização:

Projeto Autônomo – Escritório de projeto separado das operações da empresa, destinado ao gerenciamento de um projeto ou programa específico, onde a responsabilidade pelo sucesso ou fracasso do projeto é do PMO. Segundo [2], esta configuração de PMO ocorre tipicamente em situações onde o projeto não tem relacionamento estreito com o restante da organização e a empresa não tem muita experiência em gerenciamento de projetos. Neste caso, as práticas de gerenciamento de projetos advém da experiência do gerente ou líder do projeto.

Para o sucesso desse tipo de PMO, dois pontos são fundamentais:

  • A experiência do gerente de projetos e a maturidade da equipe;
  • Um sponsor (patrocinador) com poder ou influência para gerenciar fatores externos ao projeto;

Escritório de Suporte de Projetos – Escritório de projetos destinado ao apoio a diversos projetos simultâneos, fornecendo suporte, ferramentas e serviços de planejamento, controle de prazos, custos, qualidade, dentre outros. Além disso, pode fornecer metodologia de gerenciamento de projetos, recursos técnicos, interfaces organizacionais, metodologia de gestão do conhecimento. É considerado um centro de competência em projetos.
Pode ser departamental ou corporativo, variando apenas sua colocação dentro da estrutura organizacional da empresa, de acordo como essa se apresenta.

  • Abrangência departamental

  • Abrangência Corporativa – neste caso tem papel estratégico. Quando engloba atividades relacionadas ao conjunto de todos os projetos incluindo priorização é chamado de Enterprise Porfólio Management Office (EPMO).

Independentemente da posição que assume dentro da estrutura organizacional, também pode ser caracterizado de duas formas:

  1. Consultivo: atua como um órgão consultivo provendo gerente de projetos das unidades de negócio com treinamento, orientações sobre metodologias e técnicas e disseminando melhores práticas;
  2. Executivo: atua como órgão central na alocação dos mais diversos recursos, com competências específicas para a condução de projetos nas unidades de negócio.

Centro de Excelência em Gestão de Projetos – Escritório de projetos criado para servir como referência principal na gestão de projetos dentro da organização. Não assume a responsabilidade pelos resultados dos projetos. É uma estrutura recomendada para organizações que possuem projetos de diversas naturezas.
Ele funciona como um núcleo de inteligência, provendo informações às partes diretamente interessadas, ao invés de comandar. Guia durante todo o ciclo de vida do projeto, desde a fase inicial até seu encerramento. Segundo [2], “podemos admitir que trata-se de um Benchmarking referencial do estado da arte na gestão de projetos”.

[1] VARGAS, Ricardo V. Gerenciamento de Projetos: estabelecendo diferenciais competitivos. Brasport, 6ª ed.
[2] MELLO, André M. Diretrizes essenciais na implantação de um PMO. Disponível em <http://www.ogerente.com.br/projetos/dt/proj-dt-am-implantacao_pmo.htm>. Acesso em 30 de Agosto de 2011.

Entrevista com Alércio Bressano

Alércio Bressano é Gerente de Projetos, Professor Universitário e Mentor em Produtividade Pessoal (gestão projeto de vida e finanças pessoais – tempo e dinheiro). Possui 12 anos de experiência na área de desenvolvimento de projetos de tecnologia, atuando como desenvolvedor, analista e líder de equipe. Atualmente, é Gerente de Projetos / Scrum Master e lidera o PMO (Escritório de Gerenciamento de Projetos) da área de TI de um grupo empresarial. Possui 5 anos de experiência como professor universitário, lecionando disciplinas relacionadas às áreas de Engenharia de Software, Gestão de Processos (BPM) e Gerenciamento de Projetos (PMI e SCRUM) em cursos de graduação e pós-graduação. Articulista do iMasters e Colunista/Editor do InfoQ Brasil, escreve sobre gerenciamento de projetos e agilidade. Editor do canal @lider360graus da Três Pontos, falando sobre gestão, produtividade e carreira. Sobre a sua formação, é Certified SCRUM Master e Product Owner (CSM e CSPO) pela Scrum Alliance, especialista em Melhoria de Processo de Software pela Universidade Federal de Lavras (UFLA-MG), especialista (MBA Executivo) em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas (FGV-RJ), graduado em Processamento de Dados pela Universidade Tiradentes (UNIT-SE) e técnico em informática pelo IFS (ex-CEFET-SE). É filiado PMI Chapter Bahia desde 2008 e faz parte do Steering Team do PMI Chapter Sergipe Brazil Project. Tem interesse nas áreas de Gerenciamento de Projetos, Gestão de Processos, Qualidade e Engenharia de Software, Governança de TI e Administração.

Você pode encontrá-lo em @alercio http://www.linkedin.com/in/alercio.

ENTREVISTA

Blog GPA: Qual sua perspectiva sobre o atual estágio da Gestão de Projetos no estado de Sergipe?

Alércio: Estou bastante confiante no crescimento desse setor no nosso Estado. Tenho visitado empresas de diversos segmentos e tamanhos por aqui e percebo que estão investindo nessa área e percebendo valor e ligação direta desse conhecimento nos resultados dos projetos (iniciativas organizacionais). As organizações estão percebendo que suas estratégias se tornam projetos e é fundamental incorporar técnicas ao seu dia-a-dia para conduzir esses empreendimentos e, principalmente, fortalecer o trabalho em equipe, procurando usar ao máximo o potencial das pessoas em prol do resultado (talento coletivo).

Blog GPA: Pela sua biografia, você trabalhou com desenvolvimento de software. O que te motivou a ingressar na carreira de Gestor de Projetos?

Alércio: Eu fui programador e a minha motivação era ver os clientes utilizando um sistema construído por mim (que passou pelas minhas mãos). Com o tempo fui “tomando gosto” por me envolver cada vez mais com o negócio da organização (enxergando que tecnologia é meio) e acabei virando um analista de sistemas e depois evoluindo para um analista de negócios. Minha motivação passou a ser desenhar, projetar soluções informatizadas para os clientes utilizarem. Após diversos estudos sobre os resultados negativos em projetos de software, li muitas pesquisas e estatísticas, onde muitas delas discutiam que as causas dos problemas apontavam para questões gerenciais, comportamentais. Com isso, passei a me aprofundar nesse assunto, a gostar dessa área (por perceber a importância estratégica nos projetos) e me especializar (foco dos meus estudos). Daí, comecei a perceber que a minha motivação era fazer com que as pessoas alcançassem seus objetivos, suas metas. Eu sinto prazer em ver minha equipe recebendo os elogios do cliente. Isso virou meta pra mim! Essa tem que ser a motivação de um Líder de Projetos. É isso que me motiva, que me desafia todos os dias: formar times e promover o ambiente necessário para que eles entreguem projetos! Não largo mais essa vida.

Blog GPA: O que mudou na sua visão após se certificar como CSM e CSPO?

Alércio: O CSM me passou uma visão de que teria que mudar a minha postura de Gerente de Projetos Tradicional (o único responsável pelo projeto) para um Líder formador de Equipes (papel do Scrum Master). Minha responsabilidade é garantir a execução das práticas, cerimônias (processo de gestão, ciclo PDCA) e remover os empecilhos que surjam e que impeçam a produtividade do time. Passei a aplicar isso e a me colocar definitivamente nos “bastidores”, empoderando (empowerment) o time, delegando e transferindo responsabilidades e desafios. Esse é o verdadeiro papel de um líder: definir objetivo comum e fazer as pessoas encontrarem suas motivações, a partir dos desafios lançados (no nosso caso, pelos clientes na construção dos produtos).

Porém, confesso que o CSPO me surpreendeu muito mais! Sempre achei que o Product Owner (PO) tinha a responsabilidade de manter o product backlog atualizado e priorizado, a partir da negociação com os clientes. Entretanto, o PO é muito mais do que isso! Ele é definitivamente um Estrategista do Produto (palavras do meu amigo Michel Goldenberg). É responsável por reduzir complexidade, gerenciar os stakeholders e garantir que o time seja desafiado através da constante entrega de ROI e do aumento do seu conhecimento (na tecnologia e nos negócios envolvendo o produto). Aprendi diversas técnicas (todas de autoria do Michel) e estou aprofundando os estudos nesse assunto. Com certeza publicarei alguns artigos sobre essa experiência.

Além dos conhecimentos, várias portas se abriram e estou aproveitando todas as oportunidades. Vocês irão ouvir falar ainda muito sobre isso. Além disso, baseado nessa vivência com SCRUM, estou em processo de avaliação para a próxima certificação: CSP – Certified Scrum Professional.

Blog GPA: Você acredita que o sucesso atingido com a implantação do Scrum no grupo Coca-Coca pode ser alcançado em outras empresas do estado de Sergipe? O que é preciso para que isso aconteça?

Alércio: Essa minha experiência mostra que duas palavras são fundamentais para se alcançar objetivos (isso vale para qualquer processo de mudança e de evolução): PERSISTÊNCIA e PACIÊNCIA. Em 2003 eu tinha um sonho: implementar um processo de gestão na empresa que trabalhava. Eu constatava que o time tinha competência técnica e potencial, mas não tinha organização, gestão de expectativas dos clientes, bom alinhamento com o negócio da empresa. Eu acreditava, baseado nos meus estudos, que um processo de gerenciamento (organização das equipes e dos projetos) era a solução dos problemas. Depois de várias tentativas, erros, aprendizados, críticas, encontrei nos métodos ágeis as práticas de gestão que mais se encaixavam no perfil das equipes que eu trabalhava: times pequenos, trabalhando com múltiplos projetos e com interrupções (manutenções corretivas e evolutivas). Em 2009 fiz minha primeira tentativa mas recuei, pois não consegui ter um pré-requisito importante para a implantação (institucionalizar um PO). Em 2010 surgiu uma nova oportunidade (cenário favorável) e iniciei a implementação numa das equipes mais problemáticas em termos de gerenciamento (clientes diversos e insatisfeitos). Quem me acompanha conhece os resultados: atualmente, todas as equipes de desenvolvimento do grupo empresarial estão rodando SCRUM, recebemos visitas de empresas para conhecer nosso case – benchmarking (inclusive uma de fora do Estado – TI da Rede Bahia, afiliada Rede Globo) e a nossa experiência virou artigo científico apresentado em Congresso Nacional de Gerenciamento de Projetos. Depois de 7 anos (2003-2010), realizei esse grande objetivo, esse sonho! Entendeu o motivo da PERSISTÊNCIA e PACIÊNCIA? Atualmente, meu foco de estudos é formação de times de alto desempenho, trabalho em equipe e (pásmem) psicologia (aspectos comportamentais da gestão de pessoas). Estou construindo meu próximo grande desafio/sonho.

Blog GPA: Soube que pretende lançar o curso MBA em Gerenciamento Ágil de Projetos pela Universidade Tiradentes. Quais são seus objetivos? Qual público você pretende atingir?

Alércio: o MBA é mais uma das iniciativas locais que venho realizando para profissionalizar o gerenciamento de projetos no nosso mercado. Projeto diferenciado, foi elaborado com as demandas do mercado (gaps) identificados no GE2PS (Grupo de Estudos em Gestão e Engenharia de Projetos de Software), com o objetivo de fornecer ao mercado uma opção de capacitação nesse assunto. Acredito que a gestão de projetos gera resultados (a minha experiência mostra isso) e precisamos fornecer aos profissionais, consultores, empreendedores, o conhecimento necessário para melhorarmos as estatísticas dos resultados em projetos. Esse é o grande objetivo!

Blog GPA: Para finalizar, gostaria que você deixasse uma mensagem para aqueles que pretendem ingressar na carreira de Gerente de Projetos.

Alércio: Ser Gerente de Projetos é uma profissão nada fácil. Lidamos com pessoas, sejam membros do time do projeto, clientes e outros stakeholders que possuem objetivos e motivações (na maioria das vezes conflitantes), e temos o desafio de administrar todas essas expectativas e consegui convergir o foco, a competência e o potencial das pessoas para o resultado dos projetos. Nosso papel é dar retorno ao acionista, proporcionando produtos que agilizem seus processos para maximizar suas receitas e reduzir seus gastos. Quem quiser seguir essa carreira, deve estar preparado para as críticas negativas, para os desafios, para errar e saber levantar, para dar significado ao que faz e buscar sua motivação interior. Eu encontrei nessa profissão a minha motivação e é ela que me empurra e me impulsiona para continuar vencendo os desafios para cumprir a minha missão de vida: compartilhar conhecimento e mudar a vida das pessoas (para elas mudarem as empresas e suas próprias vidas). Minha dica é: encontre o trabalho que faz você levantar toda segunda pela manhã bem cedo. Depois disso, o trabalho e o lazer se confundem! O céu é o limite. Desejo uma ótima caminhada a todos e encontrem a verdade de vocês! Eu ainda continuo buscando a minha!

Minha palestra no evento 3Kg de TI

Ocorreu no dia 13/08/2011 minha palestra no evento 3Kg de TI: “Gerenciamento do Tempo em Projetos de Software utilizando o Método da Corrente Crítica”. O evento contou com a participação de dezenas de profissionais de tecnologia da informação do Estado de Sergipe, inclusive com empresários do setor de tecnologia. Procurei abordar um tema recente e que, atualmente, desperta bastante curiosidade na área de gerenciamento de projetos. Esse tema é estudo de pesquisa em meu TCC da pós-graduação em Gestão de Projetos de Software.

RESUMO

A evolução dos negócios e das empresas advém de um mundo globalizado onde ocorrem constantes transformações, mudanças e o surgimento de novas tecnologias. Este cenário propicia um aumento no grau de competitividade do mercado exigindo dessas empresas, cada vez mais, agilidade na entrega de valor para seus clientes. Sendo assim, urge a necessidade de buscar meios que, pautados na adequada gestão do tempo, favoreçam o aumento da velocidade de entrega de produtos, serviços ou resultados com a qualidade esperada. Neste contexto, a presente pesquisa qualitativa, do tipo estudo de caso, busca apresentar uma técnica de gerenciamento do tempo em projetos chamada “Corrente Crítica”, a qual é considerada um dos mais inovadores avanços na área de Gestão de Projetos dos últimos 30 anos. Essa técnica será aplicada a um cronograma desenvolvido para um projeto de construção de um Portal WEB. O objetivo é validar a aplicabilidade dessa ferramenta a projetos de software, bem como demonstrar os benefícios advindos da sua utilização.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Site Oficial do Evento: http://jmazzoni.wordpress.com/2011/08/18/evento-3kgti-v3-%E2%80%93-fotos-do-evento/

Curso Softeam

Curso Gerência de Projetos com PMBOK

O Curso de Gestão de Projetos visa capacitar o profissional a utilizar o modelo do Project Management Institute – PMI, para o planejamento, execução e controle de projetos nas mais diversas áreas de atuação. Permitir ao aluno compreender o papel e o processo de gerenciamento de projetos dentro das organizações .

EMENTA 

Definição de Projeto. O PMI e o PMBOK. A certificação PMP. O contexto de Gerenciamento de Projetos. Processos do Gerenciamento de Projetos. O papel do gerente de projetos. Desenvolvimento de documentos do projeto. As áreas de conhecimento do PMBOK. Ciclo de vida do projeto. Gerenciando escopo, tempo e custos do projeto. Ferramentas de Projeto; Planejando e controlando o projeto com o OpenProj.

Instrutor: José Daniel Ettinger Chagas
Início: 01-10-2011
Termíno: 19-11-2011
Carga Horária: 40h
Horários: Sábado – 08hs às 13hs
Categoria Desconto Valor
Aluno DCOMP 30% R$ 350,00
Aluno DEE 30% R$ 350,00
Aluno CCET 20% R$ 400,00
Aluno CCSA 20% R$ 400,00
Aluno UFS 15% R$ 425,00
Aluno Externo 10% R$ 450,00
Profissional CCET 10% R$ 450,00
Profissional CCSA 10% R$ 450,00
Profissional UFS 5% R$ 475,00
Profissional Externo 0% R$ 500,00

Confira outras Vantagens:

  • Material didático incluso
  • Kit com pasta e caneta

Mais informações e inscrição em http://softeam.com.br/cursos/turmas/showDivulgacao/turma_id/11