Negociação de contratos na visão de um GP

Um tema bastante presente na vida de muitos gerentes de projetos é a negociação de contratos. Durante a execução de um projeto, possivelmente é necessário adquirir produtos e/ou serviços de terceiros, o que requer, em alguns casos, negociar contratos que atendam aos anseios de ambas as partes envolvidas. Essa é uma tarefa que requer do GP habilidades interpessoais e de negociação capazes de costurar termos que satisfaçam aos interessados de forma equilibrada e justa. Assim, busca-se evitar problemas judiciais e estabelecer uma relação saudável e duradoura.

Construir esse relacionamento nem sempre é uma tarefa fácil. Requer um planejamento bem definido, o qual possa se antecipar a entraves que certamente vão existir e buscar soluções de contorno viáveis. Vou elencar aqui alguns princípios que aprendi durante a minha vida acadêmica e profissional, os quais me ajudaram bastante a superar as dificuldades encontradas:

  1. Planejamento é fundamental. Antes de iniciar o processo de negociação é preciso definir quais são suas expectativas em relação ao contrato. Recomendo a criação de um rascunho e a definição do que é negociável ou não. Em relação aos itens negociáveis, devem ser definidas margens de negociação para mais e para menos;
  2. Barganhe o quanto puder. Caso faça alguma concessão, busque uma contrapartida. Afinal de contas, se você cedeu por que o fornecedor também não pode fazer o mesmo?! Não tenha medo de negociar, pois o fornecedor também tem suas margens de concessão;
  3. Seja claro e objetivo. Toda e qualquer cláusula deve ser clara o suficiente para ser compreendida por ambas as partes. Evite cuidadosamente a ambiguidade. Questione se algum termo está confuso e faça os ajustes necessários para torná-lo claro. Isso evitará problemas judiciais no futuro.
  4. Procure modelos de contrato. Busque exemplos de contratos na Internet em sites jurídicos renomados e especializados. Porém, leia atentamente todas as cláusulas do mesmo. Provavelmente, algumas delas não são de seu interesse ou não são adequadas aos cenários existentes.
  5. Conheça as leis. Examine todas as leis aplicáveis ao contrato, bem como possíveis cenários. A partir desse conhecimento é possível definir penalidades justas para o não cumprimento dos termos firmados e quem se responsabilizará caso algo saia errado. É preciso se precaver para evitar a nulidade jurídica de alguma cláusula ou do contrato por inteiro.
  6. Assine todas as folhas. Além da assinatura por extenso na última página do contrato, devem ser rubricadas todas as demais pelo contratante e pelo contratado. Isso assegura que as mesmas foram lidas e evita alterações indevidas em termos firmados verbalmente. Afinal, é o início de um relacionamento e não devemos confiar plenamente na outra parte.

Fundamentados nesses princípios é possível firmar contratos justos e juridicamente válidos, além de estabelecer relações longas e duradouras. Porém, só isso não é o bastante! A experiência adquirida em negociações anteriores é um fator importante para acordos futuros. Através delas é possível conhecer diferentes perspectivas de negócio e desenvolver habilidades interpessoais que irão facilitar ainda mais as negociações. Esse é um típico caso em que quanto mais, melhor!

Anúncios

Sobre danielettinger

Bacharel em Ciência da Computação pela Universidade Federal de Sergipe (UFS) e Pós-Graduado em Gestão de Projetos de Software pela Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe (FANESE). É certificado CAPM® pelo PMI, ITIL® v3 Foundation pelo EXIN e COBIT® 5 Foundation pela APMG. Possui experiência de 5 anos nas áreas de Análise e Desenvolvimento de Sistemas do setor público e privado. Atualmente trabalha no Banco do Estado de Sergipe (BANESE), onde já desenvolveu atividades de análise de processos e gerenciamento de projetos no Escritório de Gerenciamento de Demandas e Projetos e Grupo de Processos, pertencentes à Área de Governança de TI. Dentre elas, destacam-se a gestão do projeto de implantação do PMO de TI e suporte no gerenciamento de projetos de TI. Nos dias de hoje, atua como gerente de projetos do PMO Corporativo do BANESE. Ministra aulas de Sistema de Gerenciamento de Projetos em cursos de MBA da FANESE. Participou como voluntário em eventos do PMI ministrando curso de Gestão do Tempo em Projetos. É proprietário e articulista do site “Gestão de Projetos Ágeis” www.danielettinger.com, onde divulga trabalhos pessoais na área de Gerenciamento de Projetos e Metodologias Ágeis como artigos, vídeo-aulas, pesquisas, eventos, templates, tutoriais e dicas fomentando o interesse e o desenvolvimento dessas áreas.

Publicado em 05/02/2014, em Aquisições, Gerenciamento de Projetos e marcado como , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: