Arquivo da categoria: Gerenciamento de Projetos

4º Congresso Sergipano de Gerenciamento de Projetos

inc_thumb3

Sobre o Congresso

No quinto ano de sua fundação, o PMI SERGIPE CHAPTER organiza o 4º CSGP. Neste ano o Congresso Sergipano Gerenciamento de Projetos traz palestrantes de renome internacional, buscando assim o melhor para você! A realização do 4º CSGP tem como maior objetivo, proporcionar à comunidade novas maneiras de vencer o desafio de entregar projetos e agregar valor aos negócios.

O evento acontecerá nos dias 19 e 20 de Agosto de 2016 na UNIT (Universidade Tiradentes), no campus Farolândia. Contamos com a sua presença!

Inscrições

Aproveite os lotes promocionais para fazer a sua inscrição com desconto. Qualquer dúvida basta entrar em contato com a Diretoria de Eventos. Aproveite o desconto de associados e conveniados. Não perca a oportunidade de participar deste evento. Associe-se ao PMI e obtenha diversos benefícios.

* 1º Lote até o dia 30 de Junho de 2016

Palestrantes Confirmados

Ricardo-TrianaRicardo Triana

Tema da palestra: Alinhamento Estratégico de Projetos na Prática.

Linkedin

Acilio-MarinelloAcilio Marinello

Tema da palestra: Projetos sociais e sustentáveis – casos de sucesso ao redor do mundo e fontes de financiamento.

Linkedin

Farhad-AbdollahyanFarhad Abdollahyan

Tema da palestra em breve

Linkedin

Hellen-AlmeidaHellen Almeida

Tema da palestra em breve

Linkedin

AAEAAQAAAAAAAAarAAAAJDU2MjMxN2M3LTQzYjgtNGQ0Yy04MzNiLTI2MWYyOTEyYzcwZAThiago Ayres

Tema da palestra em breve

Linkedin

Marco-EnesMarco Enes

Tema da palestra em breve

Linkedin

Victor-MassariVictor Massari

Workshop: Agile Lego Challenge.

Linkedin

Sobre o PMI-SE

O PMI Sergipe Chapter é uma representação local da organização mundial líder em Gerenciamento de Projetos PMI (Project Management Institute) . Servindo como interlocutor dos padrões que descrevem as melhores práticas, certificações que atestam conhecimento e experiência, e recursos para o desenvolvimento profissional, oportunizando uma rede de relacionamento com a comunidade de Gerenciamento de Projetos.

O PMI (Project Management Institute) é principal e mais conhecida organização de gerenciamento de projetos do mundo e que conta com mais de 650.000 associados – em mais de 160 países. Todos os principais setores estão representados, inclusive tecnologia da informação, defesa e aeroespacial, serviços financeiros, telecomunicações, engenharia e construção, agências governamentais, seguro, saúde e muitos outros.

Missão

Avançar na prática e na profissão de gerenciamento de projetos em Sergipe, de uma maneira consciente e proativa, para que as organizações locais apoiem, valorizem e utilizem o gerenciamento de projetos em seus empreendimentos e obtenham o sucesso almejado.

Se tornar nos próximos 2 anos um Centro de Excelência em Gerenciamento de Projetos de Sergipe, sendo uma referência na disseminação das práticas para a comunidade.

Visão

Se tornar nos próximos 2 anos um Centro de Excelência em Gerenciamento de Projetos de Sergipe, sendo uma referência na disseminação das práticas para a comunidade.

Valores

Entrega de Valor; Transparência; Qualidade; Valorização do trabalho voluntário.

Equipe Organizadora

O PMI-SE é dirigido por voluntários que ajudam a executar as ações definidas no planejamento estratégico. Este evento é uma das principais ações do Capítulo e foi promovida pelos diretores, sombras e outros voluntários.

Local

UNIT – Universidade Tiradentes, campus Farolândia, bloco G – auditório 1 Avenida Murilo Dantas, 300 – Farolândia, Aracaju – SE, 49032-490

Maiores Informações

Presidência | presi@pmise.org.br

Diretoria de Eventos | eventos@pmise.org.br

Diretoria de Comunicação | comunicacao@pmise.org.br

https://www.facebook.com/PMISergipe/

http://pmise.org.br/

Anúncios

Projeto Horas Decisivas


253848Existem projetos que constroem um novo modelo de avião mais moderno e luxuoso, outros desenvolvem um serviço que será utilizado por milhões de pessoas, mas existem projetos que salvam vidas humanas! Esse projeto foi recentemente retratado em um longa-metragem produzido pela Disney: Horas Decisivas. O filme, inspirado em fatos reais, narra a história de uma heroica tentativa de resgaste em 1952, quando uma gigante nevasca atinge a costa da Nova Inglaterra e ocasiona a ruptura do navio-tanque SS Pendleton em duas metades, lançando dezenas de tripulantes ao mar. Enquanto a tripulação da popa, liderados por Raymond Sybert, tenta bravamente sobreviver à tempestade, uma equipe de 4 guardas costeiros é enviada ao encontro do grupo, em um pequeno barco, e com um único objetivo: resgatar os sobreviventes e trazê-los com vida de volta à terra firme. Leia o resto deste post

O que muda no exame PMP em 2016

O exame PMP sofreu em 12 de janeiro de 2016 diversas mudanças, conforme previamente informado na Delineação do Conteúdo do Exame PMP®, publicado pelo PMI®, em abril de 2015. Esse documento contém muito mais informações do que as definições e conceitos abordados no Guia PMBOK®, os quais são cobrados no exame.

Primeiramente, é preciso entender por que o exame PMP mudou. Em média, a cada 5 anos o PMI realiza um estudo sobre o delineamento de papéis (RDS – Role Delineation Study), o qual fornece uma descrição detalhada sobre o papel do profissional de gerenciamento de projetos. Segundo o PMI [1], este estudo incluiu uma pesquisa global em larga escala com profissionais certificados PMP® para validar atualizações em domínios, tarefas, conhecimentos e habilidades. Ele captura as visões dos gerentes de projetos de todas as indústrias, ambientes de trabalho e regiões e serve como base para o exame PMP®, além de garantir sua validade e relevância. Leia o resto deste post

Resultado da Enquete – Qual é a principal causa de conflitos em projetos?

Resultado - Qual é a principal causa de conflitos em projetos

Análise

Questionamos aos nossos leitores qual seria a principal causa geradora de conflitos em projetos e obtivemos os seguintes resultados. Apontado como o fator preponderante para geração de conflitos está a mudança de escopo, a qual obteve 33% dos votos. Quando se muda escopo, há um impacto direto em prazos e custos e, consequentemente, na satisfação do cliente e patrocinador o que pode gerar um desgaste de relacionamento com a equipe do projeto. Em segundo lugar, figura a expectativa das partes interessadas com 17% dos votos. Alinhar desde o início com os stakeholders qual é o objetivo do projeto e quais serão as entregas que a serem realizadas durante sua execução é atividade fundamental para evitar possíveis conflitos de interesses. Já os prazos estabelecidos são vistos como a terceira maior causa de conflitos. Observe como esses fatores estão intimamente ligados, pois a mudança de escopo provavelmente irá afetar os prazos estabelecidos e, consequentemente, a expectativa das partes interessadas previamente alinhadas.

Por fim, os demais fatos citados como fontes geradoras de conflitos foram definição das prioridades (15%), custos (8%), alocação de recursos (6%) e outra (5%). Dentre as outras causas, a comunicação foi a mais citada, pois muitas vezes os ruídos nos meios levam diversos projetos ao fracasso ou perdas significativas de recursos e tempo.

Convertendo o BMC em PMC

Nos posts anteriores aprendemos a desenvolver e esboçar modelos de negócio novos ou existentes através da utilização da ferramenta Business Model Canvas. Semelhantemente, descobrimos ainda que é possível construir um plano de projeto com post-its e uma folha A1, de forma a conectar elementos fundamentais em projetos de qualquer natureza. Isso pode ser feito utilizando o Project Model Canvas.

Apesar de possuírem propósitos distintos, os modelos apresentam informações que estão intimamente relacionadas. Sendo assim, torna-se interessante e factível apresentar uma solução de conversão entre o BMC e o PMC. Para tanto, vamos utilizar o estudo de caso Implantação do PMO. Seguem abaixo os modelos desenvolvidos anteriormente. Leia o resto deste post

Kanban: o que é e para que serve?

ettinger-kanban-projectlab-pp

Proveniente do vocabulário japonês, “Kanban” significa registro ou rosto visível. Isso justifica o fato dessa palavra ter sido utilizada para representar uma ferramenta visual e colaborativa bastante útil para empresas que pretendem melhorar a sua performance. Apesar de ter nascido com o objetivo de aprimorar uma linha de produção de fábrica, Kanban também pode ser utilizado como gerenciador de tarefas e essa é uma das suas principais funções nos dias atuais.

Criado e inicialmente utilizado pela Toyota em sua linha de montagem, o Kanban baseia-se em um quadro seccionado em colunas verticais onde são afixados post-its coloridos, o modelo permite a organização de atividades de uma ou mais equipes. As colunas representam o estado de cada tarefa por onde os post-its vão transitar e podem ser nomeadas como “início”, “em andamento” e “finalizado”. Dessa forma, o modelo pode ser adaptado e aplicado em diversas áreas de conhecimento como desenvolvimento de software, construção civil, indústria farmacêutica, etc.

Devido à sua simplicidade e objetividade, o Kanban pode funcionar como um modelo de prática ágil. Porém, ao contrário do Scrum, o Kanban tem como prática limitar a quantidade de tarefas em cada coluna. Isso contribui para o fortalecimento do time, pois quando o limite de uma coluna tiver sido alcançado, será necessário que todos os membros paralisem as demais atividades e auxiliem em conjunto na conclusão das tarefas não iniciadas ou finalizadas. Essas atividades podem ser executadas a partir de prioridades definidas por uma numeração ou cor do post-its.

Deseja conhecer mais a fundo essa ótima ferramenta e os princípios ágeis que irão ajudar a tornar o trabalho em sua empresa mais rápido e eficaz? Então não perca tempo e inscreva-se no curso Fundamentos em Métodos Ágeis da Projectlab. Aprenda novas técnicas e abordagens em um ambiente lúdico que estimula a absorção do conhecimento.

Este post trata-se de um publieditorial.

Project Model Canvas: a alma do projeto

Introdução

Em um mundo globalizado, onde as organizações buscam constantemente ampliar seu market share e entregar valor mais rapidamente aos seus clientes, o ritmo das mudanças se torna mais intenso. Dessa forma, o volume de projetos tem um crescimento acima do normal, justificado pela necessidade de implementar as mudanças, e que provavelmente irá ocasionar o envolvimento de um maior número de interessados. Essa reação em cadeia torna o ambiente de negócios mais complexo e a vida do gerente de projetos mais árdua.

Crescimento do número de partes interessadas.

Leia o resto deste post

Business Model Generation: a alma do negócio

O cenário apresentado acima é uma situação comum no dia-a-dia de qualquer organização que, através de ideias inovadoras, busca aumentar sua competitividade no mercado. Porém, muitas delas não logram êxito pois não conseguem organizar suas ideias e decidir o que pode gerar valor para seus clientes. Para contornar tal situação o ideal é criar o Modelo de Negócios. Segundo Yuri Gitahy, fundador de uma empresa de consultoria, “modelo de negócios é a forma como uma empresa cria, entrega e captura valor… é a fórmula que transforma time, produto e gestão em receita, lucros e retorno para os acionistas”.

BMG, acrônimo para Business Model Generation, é uma poderosa ferramenta de gerenciamento estratégico, a qual possibilita esboçar ou construir modelos de negócio novos ou existentes. Trata-se de um mapa mental pré-formatado em nove seções que apresentam informações vitais sobre o modelo de negócio. Foi originalmente proposto por Alexander Osterwalder, o qual baseou-se em seu trabalho anterior sobre Business Model Ontology.

Leia o resto deste post

Certificação EXIN-ASF: o mix da agilidade

“Pedro, necessito das peças de montagem em até 2 dias. Alexia, já solicitei a João via sistema de estoque. Ele que se vire!”  Esse é um diálogo atual e bastante comum nas organizações que buscam celeridade nas entregas de projetos, os quais materializam o planejamento estratégico da empresa. Para solucionar o conflito apresentado no cenário acima, os métodos ágeis aproximam as pessoas dando atenção especial às interações entre elas e, por conseguinte, possibilitando a criação de um ambiente colaborativo que forneça respostas rápidas às constantes mudanças que se fazem necessárias.

Um dos métodos ágeis mais conhecidos no mercado é o Scrum. Baseado em planos de iterações chamados de Sprints, ele provê mais agilidade na entrega do produto e, dessa forma, fornece valor mais rápido para o cliente. Suas reuniões diárias, curtas e objetivas, permitem ao time responder rapidamente à quaisquer mudanças que se façam necessárias, estando assim, constantemente alinhados às expectativas do cliente e evitando prejuízos no cronograma e nos custos planejados. As demais reuniões de revisão e retrospectiva, permitem ao time analisar o que deu certo ou errado durante a execução dos trabalhos e como se antever a possíveis problemas que atrasem as entregas e gerem insatisfação por parte do cliente.

Visando atender à demanda do mercado por profissionais alinhados aos conceitos e práticas ágeis, o instituto EXIN criou a certificação ASF (Agile Scrum Foundation). Apesar da nomenclatura, essa certificação atesta também que seus detentores possuem conhecimentos básicos em outras metodologias ágeis como XP, Kanban, DSDM, Crystal, FDD e TDD, porém o foco maior é o Scrum.

Você pode se inscrever para realizar o exame EXIN ASF online, diretamente no site da Exin, mas é recomendável que você faça o curso Preparatório ASF – Agile Scrum Foundation 8h, da Projectlab, que contempla todos os tópicos que são abordados na prova:

  • Conceitos de Agile (Kanban, XP, Crystal, DSDM, TDD e FDD) e Scrum;
  • Práticas Scrum;
  • Planejamento Scrum;
  • Monitoramento de projetos com Scrum;
  • Conceitos avançados de Scrum.

Essa característica fornece uma vantagem competitiva, pois permite ao profissional aplicar a técnica mais adequada ao cenário em que ele se encontra ou ainda uma combinação de técnicas.

Se você tiver mais alguma dúvida sobre a certificação, baixe o White Paper “Guia Rápido das Certificações Ágeis do Mercado”

Este post trata-se de um artigo patrocinado (publieditorial).

Alcançando objetivos com a Gestão de Requisitos

Projetos possuem, em sua essência, características únicas que os diferenciam, porém dois aspectos estão sempre presentes em seu “DNA”: requisitos e pessoas.O PMBOK, Guia de Conhecimento em Gerenciamento de Projetos, prega que uma das primeiras atividades de qualquer projeto é identificar as partes interessadas. Elas poderão influenciar no sucesso ou fracasso do mesmo. Após a aprovação formal do início do projeto, devem ser coletados os requisitos que irão compor o escopo do produto e para tanto, as partes interessadas serão fundamentais.

Falhas ocorridas na identificação das partes interessadas e/ou levantamento de requisitos serão responsáveis por gerar possíveis atrasos nas entregas, estouro de orçamento, insatisfação do cliente, suspensão ou até mesmo cancelamento do projeto. Nesse cenário, surge a análise de negócios que, segundo o PMI, “auxilia você a trabalhar com as partes interessadas para definir os requisitos de negócio para que você possa moldar o resultado de projetos e conduzir os resultados de negócios ao sucesso”.

Levantar e gerenciar requisitos de forma adequada contribui para minimizar as solicitações de mudança, que quase sempre prejudicam a saúde do projeto. Luiz Guilherme Carvalho, gerente de projetos na Petrobrás, complementa ainda afirmando que “ao realizar o processo bem adequado e identificando e envolvendo as principais partes interessadas, potenciais riscos já poderão ser mitigados e até mesmo evitados”. Sendo assim, é possível notar que a correta gestão de requisitos trará benefícios que irão se multiplicar durante todo o projeto favorecendo o alcance dos objetivos inicialmente traçados.

Uma excelente opção para quem deseja investir no aprimoramento de suas habilidades técnicas em análise de negócios é o treinamento Fundamentos de Análise de Negócios oferecido pela Projectlab. O curso permite ao aluno aprender sobre atividades e técnicas que preenchem um gap entre as partes interessadas e os objetivos organizacionais. Funcionam como uma ponte que permite o alcance das metas a partir de tomadas de decisão mais assertivas.

Este post trata-se de um artigo patrocinado (publieditorial).